VINIL DE QUINTA: websérie que celebra cultura do vinil estreia no YouTube

Vinil de Quinta estreia no Youtube

Primeiro episodio do Vinil de Quinta recebe o pesquisador Manoel Filho. | Capa: divulgação

As quintas-feiras não serão as mesmas depois da estreia do VINIL DE QUINTA, websérie dirigida por Isabel Seixas (Estúdio M’Baraká) e Leo de Souza Santos (Pressa Filmes), com curadoria de Eduardo Botelho e Pedro Diniz. Ao todo, são 12 episódios sobre seis gêneros e movimentos musicais ligados ao Rio de Janeiro: samba, bossa nova, rap e funk cariocas, Tropicália e Black Rio. Cada um desses temas se desdobra em dois episódios na faixa dos 25 minutos. A estreia será sobre samba, com o pesquisador Manoel Filho, no dia 21 de outubro, mesma semana em que se comemora o Dia Nacional da Música Popular Brasileira, no www.youtube.com/vinildequinta.

O que fica em evidência nos seis encontros é este apaixonante objeto retrô jamais considerado fora de moda, que vem conquistando novos adeptos. “Pensamos em valorizar o que está para além dos discos, que flerta com a história da nossa cidade e mesmo do país, que revela encontros, que mostra a interrelação entre as artes, que fala também sobre nossa sociedade e, claro, celebra a música como expressão e o objeto, vinil, como algo que inclui afeto e memória, além de apresentar um rico repertório de referências musicais para o público”, resume Isabel.

A websérie é apresentada pelo DJ, pesquisador musical e comerciante de elepês Flávio César. Ele recebe os convidados para uma prosa que se dá a partir dos discos: Manoel Filho versa sobre samba, Cristiano Grimaldi acerca da bossa nova, DJ Tamy conta tudo o que sabe a respeito do rap, DJ Grazi esmiúça o funk, Jailson Discotecário traz o som dançante da Black Rio e o curador Pedro Diniz discorre com desenvoltura sobre a Tropicália.

Vinil de Quinta estreia no Youtube

Dj Tamy conta tudo o que sabe a respeito do rap no Vinil de Quinta. | Crédito: Monica Ramalho

Cada programa passeia pelo repertório de 20 elepês, em média, entre aqueles trazidos pelos entrevistados, enviados no formato de vídeo pelo público e analisados pela pesquisadora Aïcha Barat, que escolhe uma capa emblemática de cada tema. A edição de todos os episódios é de Terêncio Porto, diretor e editor que ficou conhecido pela criação da premiada série Larica Total.

Todo disco merece ser ouvido

Vinil de Quinta estreia no Youtube

No Vinil de Quinta, o curador Pedro Diniz discorre com desenvoltura sobre a Tropicália. | Crédito: divulgação.

Pedro Diniz e Eduardo Botelho sempre valorizaram a máxima de que todo disco merece ser ouvido! Por isso, a dupla de curadores defende que a proposta da websérie é convidar as pessoas para conhecer discos e escutar tudo o que for apresentado por esses colecionadores apaixonados que revelam as preciosidades que têm em casa.

“Esse sempre foi o propósito do Vinil de Quinta: (re)introduzir discos para que as pessoas ouçam, seja nas plataformas digitais seja nas suas vitrolas, mas preferencialmente nas vitrolas”, pontua Pedro. “Ao mostrar essas referências e coleções, esperamos que as pessoas queiram escutar sons diferentes, pesquisar, sentir vontade de ampliar os seus repertórios musicais”, completa Eduardo.

O episódio inaugural, por exemplo, começa com o susto do apresentador ao ver a pilha de elepês que o Manoel levou à filmagem. “Não tem como falar de samba trazendo só 15 discos. Tem pagode, partido alto, gafieira, tem uns crossovers, palavrinha em alta”, explica (e brinca) ele, uma fonte que parece inesgotável de conhecimento. Em seguida, só elepê da pesada, como “Canta canta, minha gente” (RCA Victor, 1974), do Martinho da Vila, “Espelho” (EMI, 1977), do João Nogueira, e “Samba minha verdade, samba minha raiz” (Odeon, 1978), de Dona Ivone Lara.

A websérie não é um inventário sobre esses gêneros e movimentos – e nem poderia ser. Ela pretende motivar os ouvintes com dicas e referências para que qualquer um possa ampliar as suas inspirações musicais. E, quem sabe, aumentar a coleção de vinis – dizem que, uma vez iniciada, é impossível parar! “Queremos fomentar uma cultura de apreciadores de discos. As músicas, a gente indica… Agora, se o público vai ouvir digitalmente ou no vinil… Bom, depois dessa websérie, a gente suspeita que todo mundo queira um toca disco e sair por aí caçando bons vinis”, reverberam, em uníssono, os criadores do VINIL DE QUINTA.

ACOMPANHE QUANDO CADA EPISÓDIO ESTARÁ NO YOUTUBE:
Dia 21 de outubro – SAMBA, com Manoel Filho
Dia 28 de outubro – BOSSA NOVA, com Cristiano Grimaldi
Dia 4 de novembro – TROPICÁLIA, com Pedro Diniz
Dia 11 de novembro – BLACK RIO, com Jailson Discotecário
Dia 18 de novembro  – RAP, com DJ Tamy
Dia 25 de novembro – FUNK, com DJ Grazi

VINIL DE QUINTA: Encontro de colecionadores adaptado ao virtual

Vinil de Quinta estreia no Youtube

Manoel Filho abre as portas do Vinil de Quinta. | Crédito: Monica Ramalho

O VINIL DE QUINTA nasceu em 2017, com a proposta de promover o encontro entre colecionadores e “simpatizantes” da cultura do vinil. Tudo organizado pelos curadores da websérie, que já produziam festas e discotecavam juntos há quatro anos. Eduardo Botelho e Pedro Diniz realizaram sete edições presenciais do evento, no Rio de Janeiro, com espaços para troca e venda de discos e discotecagens 100% no vinil, com repertório construído a partir dos elepês que circulavam em cada evento.

“O Vinil de Quinta se adaptou como pediu o momento, mas a vontade de incentivar o público a revisitar um ‘passado’ musical permanece. Junto à M’Baraká, migramos para este formato de websérie com entrevistas. Apesar de termos escolhido alguns temas norteadores das entrevistas, a nossa proposta era abordar as experiências pessoais de cada convidado com os discos de vinil. A partir disso, queríamos impulsionar debates e, quem sabe, ver surgir novos colecionadores”, instiga Eduardo.

Foi feita uma parceria com o Parque das Ruínas, em Santa Teresa, que originalmente seria o palco deste novo capítulo na história do VINIL DE QUINTA. Por causa do agravamento da pandemia, foi necessário remanejar as entrevistas para o apartamento que Pedro e Eduardo compartilham em Copacabana, respeitando todas as normas de distanciamento, higienização e testagens para covid-19.

VINIL DE QUINTA é uma realização do Estúdio M’Baraká com a Pressa Filmes, com patrocínio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria Especial da Cultura e Ministério do Turismo. Foi aprovado no edital de emergência ao setor cultural do Estado do Rio de Janeiro, a partir da Lei Aldir Blanc. Seria realizado de forma presencial, mas, como outros projetos, teve que se adaptar para ser viável em meio à pandemia. Foi, então, que a equipe decidiu realizar a websérie, apostando na oportunidade de criar um acervo documental sobre os colecionadores de discos e as suas motivações, dicas, preciosidades e histórias, contribuindo, assim, para fortalecer a cultura do vinil.

Quer conhecer mais? Visite a Cabana Da Música. Siga nosso conteúdo no Instagram e no Twitter.

%d blogueiros gostam disto: