Pedro Cassel lança álbum “Boca Braba”

Pedro Cassel embarca em uma nova jornada em seu próximo álbum, “Boca Braba”. O músico evolui a estética construída no trabalho de estreia, “Abrir” (2020), e busca outras perspectivas poéticas e musicais. Depois de uma sequência de singles, o cantor e compositor entrega um repertório que mescla canções próprias e poemas musicados de novos expoentes da literatura brasileira. O lançamento é do coletivo de criação musical OCorreLab, já disponível nas principais plataformas.

Ouça “Boca Braba”: https://tratore.ffm.to/boca-braba

“Boca Braba” é, ao mesmo tempo, uma obra íntima e intimista, e uma narrativa universal, que dialoga com dramas urbanos e com os dilemas políticos e sociais de um país dividido. Enquanto no primeiro disco Cassel reuniu composições feitas ao longo de quatro anos, aqui surge a urgência do tempo, a vontade de dialogar e encurtar distâncias.

“Meu primeiro disco, ‘Abrir’, junta canções que foram compostas de 2014 a 2018, gravadas em 2019 e lançadas em 2020. Nesse meio tempo, tão permeado pelas dificuldades que qualquer músico independente tem em registrar seu trabalho, minhas preocupações e interesses no universo da canção se transformaram muito – talvez acompanhando as mudanças cada vez mais violentas que testemunhamos num plano político. O resultado é que quando o álbum saiu, eu já tinha outro praticamente pronto, composto, querendo sair”, recorda Pedro.

“Boca Braba” marca uma nova fase para o artista. O catarinense radicado em Porto Alegre é músico, compositor e poeta, tendo lançado recentemente seu livro de estreia, “Kiwi”. A vivência sonora é ainda mais antiga: o habita desde os 11 anos de idade e foi nutrida até o lançamento do primeiro disco.

Pedro se jogou em novas composições e, tão logo “Abrir” foi lançado, o músico já tinha um novo álbum composto e abarcando todas as transformações pessoais e coletivas do país naquele momento. Para traduzir o zeitgeist em “Boca Braba”, Cassel recorreu a poetas contemporâneos para musicar seus versos.

“Se no ‘Abrir’ tudo era etéreo e invisível, fui tomado por uma necessidade de falar da paisagem imediata: asfalto, prédios, a vontade de explodir um banco. Pra isso fui tanto escrevendo quanto juntando poemas musicáveis de poetas contemporâneos, atentos a temas e formas de falar também contemporâneos. Juntei, fui juntando: Bruna Beber, Tazio Zambi, Ana Guadalupe, Rafael Mantovani. Gravei canções com dois cancionistas de mão cheia, ambos cronistas e satiristas do agora: Letrux e Juliano Guerra. Queria que o resultado final falasse bastante do nosso tempo – mas pudesse falar de outros também. Cenários físicos e mentais”, sintetiza.

O resultado da gravação, toda feita à distância com o próprio artista assinando a co-produção ao lado de Eduardo Lara, chega agora às plataformas de música. O álbum é fogo, malquerências, galopes de cavalo, viagem para o Japão com escala no samba paulistano. Entre idas e vindas, Pedro Cassel usa sua “Boca Braba” para cantar seus – nossos – mais íntimos desejos, afetos e afagos. 

Quer conhecer mais? Visite a Cabana Da Música. Siga nosso conteúdo no Instagram e no Twitter.

%d blogueiros gostam disto: