Gabriel Aragão começa carreira solo testando novos caminhos na trilha do documentário “Malhada Vermelha”

Cantor e compositor cearense radicado em São Paulo, Gabriel Aragão começa sua carreira solo trazendo uma experimentação de novas fronteiras para sua música ao mesmo tempo que revisita os sons e paisagens de sua terra natal. Conhecido como vocalista da banda Selvagens à Procura de Lei, referência no indie rock nacional, ele compôs e produziu a trilha do documentário curta-metragem “Malhada Vermelha”, dirigido pelo cineasta cearense Lucas Dantas e premiado nos EUA e Europa. O álbum está disponível em todas plataformas de música e o filme estreia no Brasil de forma acessível, podendo ser assistido gratuitamente no YouTube. 

O roteiro de “Malhada Vermelha” narra as consequências da retirada de 12 mil moradores da antiga cidade de Jaguaribara, no interior do Ceará, para a construção do Açude Castanhão. Entre as pessoas removidas estavam familiares do diretor do filme que, 12 anos depois, volta ao local para comandar uma busca pelo antigo sítio submerso de seus avós, a Malhada Vermelha. 

“O processo criativo se deu pela junção do ‘velho’ e do ‘novo’ em todos os aspectos. A proposta da trilha é também recriar a sensação de busca não apenas através da composição, mas também pela estética sonora, timbres, instrumentos e músicos”, conta Aragão.

A obra mescla sintetizadores e pífanos típicos do interior cearense e arranjos clássicos ao violão de 12 cordas. Participam da trilha músicos de gerações distintas. Em “A Vida Reina”, single já lançado, Gabriel se junta a Rodger Rogério na composição e interpretação, com baixo de Régis Damasceno (Cidadão Instigado), percussão de Igor Caracas, cordas por Felipe Pacheco e violão de 12 por Ronaldo Pessoa

“Cidade Velha” tem composição de Gabriel e Caio Sílvio, compositor de obras como “Noturno”, um dos hits que levaram o cantor Fagner para o estrelato. “Do Útero” entrega o vocal feminino imponente da cantora fortalezense Lorena Nunes ao lado do pífano nordestino de Ferreira Júnior. Participam ainda Rafael Maia (pianos e sintetizadores), Daniel Lima (guitarras), Dudu Holanda (violão de nylon), Yago Fernando (teclados), Hugo Lage (gravação), Deni Feijó (cello) e mixagem por Vitor Farias.

Tudo para dar novo fôlego a “Malhada Vermelha”, uma obra que fala sobre fazer as pazes com o passado, sem perder de vista o futuro. O documentário foi lançado em 2014 e rodou festivais internacionais, inclusive o renomado DOC NYC. Agora, o curta recebe nova vida ao ganhar uma reedição de imagens, narração para português e trilha sonora original. 

Este é o primeiro passo para uma nova fase na carreira de Aragão, que finaliza um EP de canções autorais e continua na estrada com sua banda. “Malhada Vermelha” está disponível em todos os serviços de streaming de música.

Quer conhecer mais? Visite a Cabana Da Música. Siga nosso conteúdo no Instagram e no Twitter.

%d blogueiros gostam disto: